Sexta-feira, 20 de Junho de 2008

Aviões europeus levantam com o dólar

Airbus A330. Foto: CaribbSe o sector da aviação europeu tem sentido o efeito negativo do momento económico e dos elevados preços do petróleo, a Air France-KLM caiu 33 por cento e a British Airways 25 por cento desde o princípio do ano, os construtores aeroespaciais já estão de olho na recuperação da economia norte-americana e do regresso do dólar à disputa com o euro para voltar a levantar os lucros. Pelo menos a julgar pelo perfil de exposição ao dólar norte-americano que a sociedade de investimento JPMorgan traçou. A instituição financeira estudou a sensibilidade às oscilações do dólar dentro do sector e encontrou as companhias que mais poderão vir a beneficiar do retorno ao equilíbrio das taxas de juro entre o banco liderado por Jean-Claude Trichet, o Banco Central Europeu, e a Reserva Federal norte-americana, conduzida por Ben Bernanke.
No primeiro lugar da exposição ao dólar está a construtora europeia EADS, responsável pelo maior avião comercial do mundo, o Airbus A380, mas também por equipamento militar e de defesa. Por cada redução de 10 cêntimos de dólar na cotação euro-dólar os lucros por acção da construtora alemã podem subir, no melhor dos casos, 28 por cento, mas não é a única que pode ganhar. A segunda maior construtora de aviões na Europa, a Safran, é outra das que pode tirar proveito da subida do dólar face ao euro, uma vez que o JPMorgan acredita que no melhor cenário o lucro por acção pode disparar mais de 33 por cento. Outros dos nomes mais expostos ao dólar são a MTU Aero Engines, a Zodiac, a Rolls-Royce e a Meggitt.
Claro que para isso acontecer é necessário que o dólar ganhe terreno ao euro, algo que os analistas do BNP Paribas estão a prever que aconteça já no terceiro trimestre deste ano e que poderá continuar nos últimos 3 meses de 2008 até a uma taxa de câmbio de 1,45 dólares por cada euro, uma descida de 0,11 dólares no montante que é preciso dar para se obter um euro nesta altura. Nuno Alexandre Silva
 
Descolam com o dólar
Aos contrário dos consumidores, que ganham com o euro forte, as empresas aeronáuticas ganham com a fraqueza
Empresa Impacto no lucro por acção de uma redução de 0,10 no câmbio euro-dólar Bolsa
Safran 33,5% Paris
EADS 27,8% Amesterdão
MTU Aero Engines 19,6% Frankfurt
Rolls-Royce 17,5% Londres
Zodiac 15,2% Paris
Meggitt 6,5% Londres
Fonte: JPMorgan

Pesquisa Carteira

Arquivos

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags