Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Pequena Enciclopédia do Investidor

Um livro aberto. Foto: smellykneeNesta versão supercompacta, aprenda todas as expressões obrigatórias para fazer uma boa figura no próximo jantar com os seus amigos que investem na bolsa.

Acção s. f. Título representativo do capital de uma sociedade anónima, logo é uma forma de investir na mesma. As acções podem ser cotadas em bolsa. Se o negócio da sociedade correr bem, em princípio, o preço da acção sobe.

Análise s. f. Exame de uma coisa. ~ fundamental quando utiliza informação contabilística e expectativas sobre as mesmas. ~ técnica quando utiliza apenas informação sobre as cotações históricas do título. Ainda não é claro qual a melhor análise para escolher acções e provavelmente nunca se saberá.

Bolsa s. f. Instituição, autorizada legalmente, onde são realizados negócios relativos à compra e venda de acções, obrigações, fundos públicos, etc.

Certificado de aforro s. m., prep., s. m. Título emitido pela República Portuguesa destinado a conceder uma aplicação remunerada às pequenas economias das famílias. Pode ser adquirido nas estação dos Correios. Trimestralmente, o título aprecia-se no valor do juro líquido de impostos. A taxa-base de juro, que é ligeiramente inferior à Euribor a 3 meses, é tabelada todos os meses pelo Instituto de Gestão do Crédito Público. Além da taxa-base, há um prémio para os aforradores que mantenham os títulos durante muito tempo. O prémio é de 0,25 por cento no segundo semestre de capitalização e aumenta 0,25 por cento em cada um dos semestres seguintes até atingir dois por cento. O reembolso pode ser pedido após os primeiros três meses, mas os certificados de aforro não têm vencimento. Tal como as obrigações do Tesouro, por definição, não têm risco.

CMVM sigla de Comissão do Mercado de Valores Mobiliarios. Entidade reguladora e fiscalizadora das bolsas de valores e de todo o universo envolvente. Qualquer queixa é a ela que deve ser apresentada.

Comissão s. f. Pagamento por um serviço prestado, normalmente em percentagem. É mais comum a sua forma plural, já que existem vários tipos. ~ de subscrição refere-se ao momento da compra de um produto de investimento (paga os papéis dos impressos e a tinta, apesar de, actualmente, ser tudo feito por meio electrónico); ~ de resgate refere-se ao momento da venda do produto (paga as despesas de fecho de conta). Em muitos casos, é variável, consoante a duração do investimento (quanto tempo ficou na posse da unidade de participação), de modo a penalizar os investidores que mudam de opinião como mudam de roupa; ~ de corretagem refere-se ao custo de comprar ou vender títulos bolsistas através de um intermediário (vide corretor).

Corretor s. m. Aquele que, mediante certa remuneração (corretagem), serve de intermediário na compra e venda de certas mercadorias. Normalmente é uma instituição financeira.

Crash s. Choque, desastre, falência. Queda prolongada e generalizada do preço de um activo, normalmente títulos cotados numa ou várias bolsas de valores. O crash das acções no ano 2000 ainda mantém afastados muitos investidores da bolsa.

Euronext s. Empresa que gere as bolsas homónimas: Lisboa, Paris, Amesterdão, Bruxelas e o mercado de derivados de Londres. Em 2007 fundiu-se com a Bolsa de Nova Iorque.

Estruturado adj. m. Os produtos estruturados combinam num mesmo pacote vários activos e moedas, mas normalmente garantem o capital investido, o que não quer dizer que sejam boas soluções. Muitos produtos estruturados tentam replicar os certificados de aforro.

Fundo de investimento s. m., prep., s. m. Veículo financeiro que reúne o dinheiro de vários investidores com o objectivo de reduzir os custos, aumentar a diversificação e aproveitar a experiência de uma equipa de profissionais, de modo a alcançar uma rendibilidade superior à que alcançariam isoladamente nos seus investimentos. Um fundo de investimento junta o dinheiro de muitos investidores e aplica-o em títulos financeiros. Os investidores têm acesso aos fundos através dos intermediários financeiros.
 
Inflação s. f. Subida generalizada dos preços que provoca a redução do poder de compra de uma quantia. Ao analisar o rendimento de uma aplicação é necessário descontar a inflação de forma a obter um resultado real.

Imposto s. m. Prestação unilateral exigida pelo Estado. Tal como a inflação, é fundamental no apuramento do rendimento real de uma aplicação. O Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) é o que mais interessa ao investidor. As mais-valias de acções detidas há mais de 12 meses estão isentas. As mais-valias obtidas em fundos de investimento estrangeiros são tributadas a 20 por cento através da retenção na fonte. A unidade de participação dos fundos de investimento nacionais são líquidas de impostos, isto é, o investidor não precisa de se preocupar com os impostos.

Mais-valia s. f. Aumento de valor adquirido por uma mercadoria ou bem patrimonial por influência de factores estranhos ao proprietário. O Santo Graal de todos os investidores.

Obrigação s. f. Título de crédito que obriga a entidade emissora a pagamento de juros e ao reembolso de capital dentro do prazo preestabelecido. ~ do Tesouro título emitido pela República Portuguesa. Por definição, não tem risco (embora haja a possibilidade de Portugal entrar na bancarrota).

Oh! interjeição Exprime espanto quando se verifica que os investimentos depreciaram. Se o período de depreciação for curto trata-se de uma correcção; se for longo é um crash. Existem exclamações substitutas, como “Ai Jesus!” e “Aqui d'el rei!”.

Prospecto s. m. Documento que faz a descrição de um produto de investimento. Tudo o que precisa de saber sobre o produto antes de o comprar está lá. Além do prospecto completo, existe uma versão light a que se chama prospecto simplificado. Os prospectos dos fundos domiciliados em Portugal estão disponível na internet, no sítio da CMVM.

Rendimento s. m. 1 Acto ou efeito de render; 2 receita; 3 lucro; proveito.

Supermercado s. m. Grande estabelecimento de venda de produtos, expostos de forma sistemática, onde os clientes se servem por si próprios. ~ de fundos instituição financeira que distribui fundos de investimento geridos por mais de uma sociedade. Os principais supermercados de fundos são: ActivoBank7, Banco Best, Banco Big, BPI Online, Deutsche Bank e Millennium bcp.

Risco s. m. Possibilidade de um acontecimento futuro e incerto. Só é mau quando é de desvalorização. Por exemplo, os fundos de acções da América Latina são dos mais arriscados, mas também são os que têm valorizado mais. O risco de um investimento é muitas vezes medido pela volatilidade do preço do activo.

 

Volatilidade s. f. Característica do que é instável. Um indicador do risco de um investimento. David Almas
2 comentários:
De simulação seguro automovel a 14 de Janeiro de 2011 às 16:27
Bom post. Pena o blog não ter mais continuação.
De » a 4 de Fevereiro de 2009 às 20:57
Olá!
Parabéns pelo blogue útil!

Se estiver interessado(a) em GANHAR DINHEIRO, colocando as publicidades mais rentáveis no seu blogue, visite http://custozero.blogs.sapo.pt/37170.html


Eu disse que Não à Crise. E você?!

Comentar post

Pesquisa Carteira

Arquivos

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags