Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Imobiliário: Pague 1 e leve 2

Chaves. Foto: silent (e)Para muitos a crise do crédito hipotecário de alto-risco norte-americano já lá vai mas para outros, o subprime ainda agora começou a espotelar. É o caso do presidente da Tool Brothers, a maior construtora norte-americana de casas de luxo, que recentemente declarou à CNN que “o mercado imobiliário vive uma depressão e uma recuperação só deverá acontecer nos próximos 2 ou 3 anos”. Robert Toll foi ainda mais longe e confidenciou que é possível que o preço dos imóveis venham ainda a registar quedas acentuadas de 10 a 20 por cento até que o mercado recupere.
Em momentos de crise, a solução pode nascer da criatividade. É o que se tem passado recentemente em Espanha com alguns proprietários a não só colocarem a sua casa à venda com um grande desconto como ainda oferecem um carro ou, até, em vez de colocarem um painel a dizer "para la venta", preferem leiloar o imóvel pela internet, como foi o caso de Miguel Marina, que está a leiloar a sua casa em rifas de 5 euros de forma a conseguir amealhar 320 mil euros.
Mas se as coisas estão a ficar pretas do outro lado da fronteira, então do outro lado do Atlântico as dificuldades aumentam a cada dia que passa, sobretudo na região da Califórnia do Sul, uma das zonas mais afectadas pelo subprime. Um mediador de San Diego está a oferecer uma casa na compra de outra, à semelhança do que acontece nos hipermercados: "pague 1, leve 2". É o exemplo de uma campanha colocada em prática pela Michael Crews Development que, por exemplo, compromete-se a oferecer uma casa de 2 mil metros quadrados, avaliada em 257 mil euros, na compra de uma outra por 1 milhão de euros.
Se até à pouco tempo eram as banheiras de hidromassagens e os aquecimentos centrais que despertavam a atenção dos compradores, hoje é a vez do marketing fazer as delícias dos investidores que estão à procura de pechinchas! Luís Leitão
Segunda-feira, 7 de Abril de 2008

Venda a casa primeiro do que a vizinha

Quem passeia por Portugal não terá dificuldade em reparar nos muitos letreiros pendurados nas varandas e nas janelas com o anúncio de venda de casa. As condições mais apertadas do crédito por parte dos bancos e a subida das taxas de juro Euribor, referência para os créditos à habitação, têm tornado mais difícil o acesso às casas desejadas por muitos portugueses. Os juros de 4,7 por cento praticados agora no mercado são mais do dobro dos juros praticados há 2 anos e, de acordo com os dados do Banco de Portugal, a concessão de crédito para comprar casa está a abrandar. Esta conjuntura pode levar o seu apartamento ou moradia a ficar nas suas mãos por um tempo indeterminado à espera de alguém que reúna a capacidade financeira e simpatize com o que tem para oferecer.
Para que não deixe arrastar a sua placa de venda nas janelas torne a sua casa a mais apetecível da rua.

Aumente as probabilidades de venda
Conseguir vender a casa pode ter mais de psicologia do que imagina

1. Faça pequenas reparações
Não deixe que faltem maçanetas, interruptores ou que haja fios eléctricos à vista. Portas empenadas, soalho em mau estado e buracos na parede também não ajudam à primeira impressão.

2. Dê brilho à casa
Uma casa de banho bem lavada e com brilho pode mandar uma mensagem para os futuros donos sobre as pessoas que ali viviam e o tratamento dado ao resto da casa. Passe também em revista todas as outras divisões, deixando brilho onde pode: chão, parede, bancadas, electrodomésticos.

3. Torne os acessos agradáveis
Para quem quer vender uma moradia será mais fácil limpar passeios e cuidar dos acessos à vivenda, mas num prédio muitas vezes é impossível. No entanto, certifique-se que os acessos ao apartamento que está a vender não estão obstruídos ou sujos. Mais uma vez, é a primeira impressão a funcionar.

4. Crie divisões que ficam na memória
Se está a mostrar a casa enquanto ainda lá mora, um quarto muito bem decorado ou uma sala de sonho podem estimular a memória e fazer a diferença no momento da escolha.

5. Climatize o espaço
Uma casa a escaldar no Verão ou a gelar no Inverno não é o melhor cartão de visita. Tente ambientar a casa algum tempo antes.

6. Não chateie o comprador
Deixe em paz o potencial comprador quando ele se movimenta pela casa e não tente fazer “conversa da treta” só para não criar momentos de silêncio. Ele não está ali para criar amigos, mas para fazer um dos investimentos mais importantes da sua vida. Nuno Alexandre Silva
tags:
Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

Casas e carros ao preço da chuva

Não é só nos EUA que o número de penhoras têm vindo a aumentar. Com o fim dos spreads nulos e com a subida da Euribor desde Dezembro de 2005, também muitos portugueses deixaram de pagar a prestação da casa ao banco. O resultado reflecte-se na adesão em massa de muitos outros consumidores a leilões imobiliários à procura de um "negócio da china".
Porém, quem além de casa esteja à procura de mobília, carro novo e outros bens, as Finanças aproveitaram o crescimento de incumprimentos fiscais pelos contribuintes para lançarem uma "campanha de saldos". Através do seu sítio, a Direcção-Geral de Impostos disponibiliza uma lista com mais de 1500 bens penhoradas à venda por um preço-base de licitação de 70 por cento do seu valor patrimonial tributário avaliado nos termos do Código do IMI. É o caso de um prédio rústico, com uma área de 8,5 hectares, composto por 2 parcelas de olival, na freguesia de Borba com um preço-base de venda de 50 mil euros ou uma área de estacionamento coberta com uma área de 27,2 metros quadrados, no prédio sito na Rua Nova da Trindade, em Lisboa, por um preço base de 11 956 euros. Para todos os interessados na compra deste ou de outros bens, ao contrário do que acontecia anteriormente em que era preciso dirigir-se ao serviço das Finanças para apresentar a sua proposta, agora basta consultar o anúncio de venda pretendido e clicar no botão "Entregar Proposta". Desta forma, enviará electronicamente a proposta para o serviço de Finanças responsável pela venda seleccionada, sem ter necessidade de deslocar-se ao serviço de Finanças. Quanto às formalidades da venda, será solicitado ao adquirente o depósito em dinheiro, da totalidade do preço, ou parte deste (não inferior a um terço), à ordem do órgão da execução fiscal. No caso de não ser feito todo o depósito, a parte restante será depositada no prazo de 15 dias, sob pena das sanções previstas na lei do processo civil. Luís Leitão
tags: , ,

Pesquisa Carteira

Arquivos

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags