Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2008

Oásis no Meio da Crise

Neste ano não houve o famoso rali Lisboa-Dakar. Tal como não houve ainda um rali "a sério" na cotação das acções. Pelo contrário, o ano começou tal como tinha terminado 2007: em queda livre. Logo, a sensação que muitos investidores têm é que estão a atravessar um verdadeiro deserto de ganhos...
Um oásis chamado Kuwait. Foto de Al- FassamNo meio da crise generalizada que se abateu sobre a esmagadora maioria dos mercados accionistas mundiais, há pequenos oásis que conseguem estar a dar retornos a quem neles apostou. Verdade seja dita que não há, nesta altura, nenhuma praça accionista mundial que se possa orgulhar de estar a crescer a 2 dígitos. Nem de perto, nem de longe. Apenas 10 bolsas não estão a cair em 2008, o que, face à situação que se vive actualmente um pouco por todo o lado, já não é mau de todo. Entre os míseros 0,10 por cento dos ganhos acumulados pela praça de Omã desde o início do ano e os 5,15 por cento do Kuwait, temos o top ten das (únicas) subidas a nível global.
E há alguns pontos interessantes que merecem uma chamada de atenção. Entre os 10 mercados que aceleram no verde, 5 deles usam turbante, nomeadamente Omã, Bahrain, Abu Dhabi, Jordânia e Kuwait. Até apetece chamar-lhes os "emirados árabes unidos contra a crise". Depois, temos 3 lanças africanas (Tunísia, Mauritânia e Gana). Finalmente, e para diversificar um bocado as coisas, 2 emergentes de 2 continentes: Equador e Eslováquia.
Como mandam as regras democráticas, vence a maioria. Assim, a Carteira foi à procura dos fundos comercializados em Portugal que permitem a exposição a esta zona específica do mundo. E as opções são escassas... Na realidade, o JPMorgan Middle East Equity D é o único veículo de investimento disponível aos investidores lusos totalmente concentrado no Médio Oriente, com especial cobertura dos países do Golfo Pérsico. Além disso, ainda tem a particularidade de incluir a possibilidade de investimento em 2 países magrebinos: Marrocos e, nem mais nem menos, do que precisamente a Tunísia, a quarta bolsa que mais sobe em 2008.
Além desta opção, existem mais 2 fundos que também contemplam a região dos petrodólares: o Morgan Stanley Emerging Europe, Middle East and North Africa Equity B e o JPMorgan Emerging Europe, Middle East and Africa Equity D. Diga-se, por curiosidade, que estes produtos permitem, de uma só cajadada, matar 3 dos 4 coelhos mais desejados (leia-se, zonas geográficas com bolsas em terreno positivo). Só fica de fora o Equador.
Assim, depois de terem acumulado ganhos astronómicos nos últimos 5 anos – veja o caso do Kuwait, cujo principal índice bolsista galgou 421 por cento nesse período –, os países da região continuam a beneficiar dos elevados preços do ouro negro para encherem o bolso. E quem neles investe não se queixa, de certeza! Será um poço sem fundo? Diogo Nunes

Maiores Subidas em 2008
Os ganhos são escassos em todo o mundo. As variações estão ajustadas para euros
Bolsa Variação
Kuwait 5,15%
Mauritânia 4,50%
Equador 3,57%
Tunísia 2,59%
Jordânia 1,60%
Eslováquia 1,08%
Gana 1,05%
Bahrain 0,87%
Abu Dhabi 0,14%
Omã 0,10%
3 comentários:
De Hugo a 28 de Janeiro de 2008
E então o fundo SPIF - Obiettivo Paesi Emergenti EMEA R Acc , não cobre tambem estes zonas geográficas?

De Carteira.pt a 29 de Janeiro de 2008
Cobre, embora o nome do fundo seja agora Sanpaolo Obiettivo Paesi Emergenti Europa, Medio Oriente e Africa R. Contudo, a componente de Europa emergente é bastante superior aos indicados, o que deturpa o investimento sugerido, que se centra no Médio Oriente e em África. Segundo as últimas informações, os 3 maiores activos do fundo Sanpaolo são russos Gazprom , Sberbank e Lukoil ) e representam cerca de um quinto do portefólio.

Comentar post

Pesquisa Carteira

Arquivos

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags